05 ago

Startup cresce 400% ajudando supermercados a vender online

A procura por compras online cresceu durante a pandemia. Mas a operação de um e-commerce não é tão simples e exige estrutura própria e uma logística diferenciada. Grande redes e também pequenos supermercados estão migrando cada vez mais para o mundo digital. Mas ter experiência no comércio não significa que será fácil vender pela internet. A operação de um e-commerce exige uma estrutura própria, uma logística diferenciada e um supermercado online precisa ter alguns cuidados ainda mais específicos. Leandro Castanheira, sócio da startup que oferece soluções completas de e-commerce para supermercados, conta que a ideia surgiu quando o sócio dele precisava migrar o próprio supermercado para o mundo digital. Daí começaram a oferecer o serviço para outros varejistas. A empresa oferece a plataforma de e-commerce e um aplicativo. A taxa de adesão é de R$ 10 mil e mais uma mensalidade que varia de R$ 2 mil a R$ 5 mil. A startup dá suporte, treinamento e acompanhamento da operação, além de assistência ao longo do contrato. [+]
05 ago

Semana Brasil terá edição 2020 e deve ajudar retomada da economia

Fonte: Agência BrasilCriada pelo governo federal em 2019 para estimular a economia, a Semana Brasil terá uma nova edição em 2020. A realização do evento foi anunciada ontem (4) pelo secretário executivo do Ministério das Comunicações, Fabio Wajngarten, e será coordenada pelo Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV). A Semana Brasil, em referência à data da Independência do país (7 de setembro), deve reunir grandes redes varejistas em uma campanha nacional de descontos em produtos e serviços no período de 3 a 13 de setembro. Com o slogan “Todos juntos com segurança pela retomada e o emprego”, a ação faz parte do pacote de iniciativas para reaquecimento do comércio e retomada das atividades econômicas do país. O mês foi escolhido por não registrar nenhuma das grandes datas que movimentam o comércio como, por exemplo, Dia das Mães (maio), Dia dos Pais (agosto), Dia das Crianças (outubro) ou Natal (dezembro). ” vai priorizar o pequeno e o médio comerciante. A Semana 2020 vai se tornar o ponto de partida de um novo tempo para o…[+]
31 jul

Carrinho Solidário: Campanha beneficia quase 30 famílias

26 cestas básicas foram entregues na primeira etapa da campanha, a fome dói, doe! Nesta segunda-feira (27), o presidente da Associação Goiana de Supermercados (Agos), Gilberto Soares entregou cestas básicas a várias famílias. As pessoas beneficiadas tem filhos matriculados na Instituição Educacional Boa Nova. Saiba mais sobre a campanha A Associação Goiana de Supermercados (Agos), em parceria com a Agos Mulher, lançou no mês de abril a Campanha “Carrinho Solidário”, com o lema: A fome dói, doe. A ideia surgiu durante a entrega de 35 toneladas de alimentos a OVG. O evento contou com a presença da primeira-dama, Gracinha Caiado, a diretora da OVG, Adryanna Melo Caiado e o deputado federal Glaustin da Fokus. O supermercado que aderir a campanha ganha da Agos, um banner para colocar na loja. Até então a campanha tem vários pontos de coleta em Goiânia e região metropolitana. A campanha tem o intuito de arrecadar alimentos não perecíveis e produtos de higiene. Todas as doações serão destinadas as famílias de baixa renda, afetadas…[+]
30 jul

Furtos em supermercados crescem 6,5% durante a pandemia

Foram registrados 9.326 casos no primeiro semestre. A maioria dos casos é de furto de comida nos estabelecimentos comerciais O número de furtos em supermercados aumentou 6,5% no primeiro semestre do ano em comparação com o mesmo período de 2019. Foram registrados 9.326 casos. Para especialistas, a crise econômica causada pela pandemia é a principal causa deste tipo de crime. Os supermercados foram um dos poucos setores que registraram alta nas vendas durante a pandemia, de 5,6% de janeiro a maio segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em uma rede de supermercados que tem oito lojas na cidade de São Paulo, a média de furtos era de 70 casos por mês. Com a pandemia, esse número aumentou muito. No pico, em abril, os seguranças flagraram 262 tentativas de furto. Os produtos mais visados foram os alimentos. A empresa aumentou o número de vigilantes e de câmeras, mas o gerente acredita que a origem do problema seja social, e não de segurança. [+]
30 jul

Alimentos subiram 8,44% para as famílias de baixa renda

Fonte: Monitor Mercantil  Enquanto a inflação medida pelo IPC-S da Fundação Getúlio Vargas (FGV) permaneceu estável na pandemia, registrando variação de -0,02% entre março e junho de 2020, os preços dos alimentos mais básicos avançaram em média 8,44% para as famílias de renda mais baixa (entre 1 e 2,5 salários mínimos) e 6,17%, no mesmo período, para as famílias com nível de renda entre 1 e 33 salários mínimos. A diferença ocorre devido ao peso que os alimentos têm no orçamento familiar e não em relação à variação de preços.“Os consumidores com rendimento mais baixo acabam sendo mais punidos quando os preços dos alimentos sobem. Durante a pandemia, entre março e junho, essa categoria teve elevada variação. Muitas dessas famílias perderam renda, alguns membros ficaram sem emprego, e isso pressionou ainda mais o orçamento”, analisou André Braz, coordenador do IPC do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV.  [+]
29 jul

População volta a comprar dos comércios de bairro

Evitar aglomerações e grandes deslocamentos são motivos para a mudança de comportamento dos consumidores A pandemia do novo Coronavírus fez com que os olhos dos consumidores se retornassem para o pequeno comércio e essa redescoberta dos mercadinhos de bairro foi tema para uma pesquisa da consultoria Kantar. Ela revelou que no primeiro trimestre de 2020, mais de dois milhões de lares passaram a comprar em pequenos varejos. A pesquisa informa que mais de 1,2 milhão incluiu os varejos tradicionais na rotina de compras e mais de 200 mil famílias passaram a frequentar supermercados perto de casa. Antes da pandemia, as compras se concentravam em atacarejos, de acordo com a Kantar. Com o medo de contaminação pelo novo Coronavírus, muitos consumidores pararam de frequentar esses estabelecimentos. Entre os que começaram a apoiar os pequenos comércios locais, os principais motivos para essa adesão foram evitar aglomerações (60,2%), evitar grandes deslocamentos (59,6%) e procurar preços mais acessíveis (53,5%), segundo a pesquisa. A dona de casa Celma Rodrigues conta que…[+]
28 jul

Decreto prorroga funcionamento do comércio ‘por prazo indeterminado’, em Goiás

Medida altera legislação anterior, que estabelecia a abertura alternada a cada 14 dias. Goiás já tem mais de 58 mil casos de coronavírus. O governo decretou nesta segunda-feira (27) a prorrogação “por tempo indeterminado” do período de funcionamento do comércio em Goiás. A medida segue uma nota técnica da Secretaria Estadual de Saúde, que recomenda a manutenção das atividades econômicas e fiscalização rigorosa dos protocolos sanitários. O decreto altera a legislação anterior, que estabelecia o funcionamento alternado do comércio a cada 14 dias como forma de controlar o avanço da Covid-19. Como o último dia de reabertura seria nesta segunda-feira, caso não fosse alterado, os comércios deveriam fechar novamente por 14 dias a partir de terça-feira (28). A nota técnica que embasou o decreto aponta que a taxa de ocupação de leitos de UTI para Covid-19 tem se mantido abaixo de 85% nos últimos 15 dias. A nova legislação estabelece ainda que novas mudanças podem ser feitas a qualquer momento, “conforme a análise da evolução da situação epidemiológica”. Seguem…[+]